Educação

Academia STEM mostra experiência de intercâmbio na engenharia para graduandos da UEA

“Experiência de Intercâmbio na Formação de Engenheiros – Graduação Sanduiche” foi o tema do bate-papo online e gratuito que aconteceu na última terça-feira (22), às 15h, horário de Manaus, com os universitários intercambistas Tassia Forasteiro e Diego Bandeira. O encontro faz parte da iniciativa inédita, ‘Conversas de Excelência’, realizada pelo projeto de Pesquisa e Desenvolvimento, Academia STEM/UEA.

Esse novo formato tem o objetivo de, em encontros de uma hora, agregar conhecimentos sobre o universo acadêmico e profissional, aproximando os estudantes bolsistas do projeto das diferentes oportunidades possíveis para cada engenharia, além de oferecer a eles um espaço para tirar dúvidas e entender conceitos da temática em discussão.

O ‘Conversas de Excelência’ faz parte da série de ações promovidas pelo Pilar Excelência, um dos braços que integram o Acadêmia STEM e, nessa última terça, contou com a mediação da professora Maria Olívia Simão. 

Durante o encontro a professora destacou a relevância de estimular oportunidades como o intercâmbio para o crescimento de cada indivíduo.

“Nós vivemos em um estado continental que tem dificuldade para fazer a interação com outros estados brasileiros e com outros países, então sair dos muros da universidade, do nosso estado e do continente é muito importante para essa troca”, destacou a professora. 

Tassia Forasteiro, uma das convidadas da edição, é estudante da UEA, mas faz graduação sanduíche na Ecole d’ingénieur en Génie des Systèmes Industriels (Eigsi), escola de engenharia localizada na costa oeste da França. Ela compartilhou o valor do estudante, previamente, aproveitar experiências acadêmicas e de pesquisa proporcionadas pela própria universidade. 

“Graças aos projetos de extensão da própria UEA, tivemos a oportunidade, por exemplo, de escrever artigos e construir nosso currículo para aplicar para a bolsa. Então, quando chegamos aqui tínhamos uma carga de experiência que nos ajudou nas matérias da própria faculdade”, explicou a intercambista.

Diego Bandeira, aprovado junto com Tassia, declarou que esse período de preparação não foi fácil e se deu por quase um ano. 

“Na época, a principal dificuldade foi o tempo que a gente teve que dedicar aos artigos e ao francês. Tivemos que ficar, por alguns meses, até tarde escrevendo na EST e fazendo francês à noite. É um processo legal, mas é muito tempo de dedicação estudando”, informou o universitário.

O encontro também contou com a presença de Letícia Lopes da Assessoria de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Amazonas (Arin) para questionamentos referentes a editais e oportunidades futuras oferecidas pela universidade. 

Sobre o Academia Stem

É um projeto de P&D, realizado na UEA, que visa potencializar a formação e capacitação nas áreas da engenharia, ciência, matemática e tecnologia. O projeto Academia Stem é incentivado pela Samsung da Amazônia de acordo com a lei 8.837/91.

Por Yasmim Tabosa

Edição Cristiane Barbosa